Centro de Diagnóstico e Terapias: Alzheimer e Outras Patologias

Horário : Segunda a Sexta das 09h00 às 19h00
  Contacto : +351 21 750 6010 | info@neuroser.pt

Todos os Artigos na Categoria: Outras Categorias

Sessões Práticas e Informativas: Dificuldades de Comunicação

Destinatários:

Cuidadores ou familiares de pessoas com demência que manifestem Alterações de Comunicação, ou qualquer cuidador ou familiar que tenha interesse em aprofundar o seu conhecimento acerca desta temática.

Objectivos da Sessão:

  1. Conhecer os motivos que levam à existência de Alterações de Comunicação na Demência;
  2. Discutir, de forma prática, alguns exemplos de dificuldades de Comunicação;
  3. Conhecer diversas estratégias que podem ajudar na interacção comunicativa;
  4. Implementar algumas técnicas e estratégias a exemplos práticos;
  5. Permitir a partilha e discussão de situações individuais.

Data da Sessão:

A sessão ocorrerá no dia 15 de Fevereiro de 2016 entre as 17h30 e as 18h30.

Local da Sessão:

A sessão será nas instalações do NeuroSer (Rua Prof. Delfim Santos, nº 9 C, 1600-610 Lisboa).

Custo da Sessão:

A sessão tem um custo de €10, sendo necessária inscrição prévia através do e-mail info@neuroser.pt ou ligando para 21 750 60 10.

Orador:

Inês Tello Rodrigues (Terapeuta da Fala)

Ler Mais

Sessões Práticas e Informativas: Alterações Comportamentais

Destinatários:

Cuidadores ou familiares de pessoas com demência que manifestem alterações comportamentais, ou qualquer cuidador ou familiar que tenha interesse em aprofundar o seu conhecimento acerca desta temática.

Objectivos da Sessão:

  1. Identificar as principais causas das alterações comportamentais;
  2. Conhecer algumas formas de prevenir a manifestação das mesmas;
  3. Adquirir estratégias para as gerir adequadamente quando surgem;
  4. Identificar os comportamentos que devem ser travados por ameaçarem a integridade da própria pessoa ou de outros.

Data da Sessão:

A sessão ocorrerá no dia 1 de Fevereiro de 2016 entre as 17h30 e as 18h30.

Local da Sessão:

A sessão será nas instalações do NeuroSer (Rua Prof. Delfim Santos, nº 9 C, 1600-610 Lisboa).

Custo da Sessão:

A sessão tem um custo de €10, sendo necessária inscrição prévia através do e-mail info@neuroser.pt ou ligando para 21 750 60 10.

Orador:

Margarida Rebolo (Neuropsicóloga)

Ler Mais

Sessões Práticas e Informativas: Programa

NeuroSer continua o ciclo de sessões práticas e informativas dirigidas a cuidadores e familiares de pessoas com Alzheimer ou outra Demência.

A última sessão abordará o tema das Necessidades do Cuidador.

Pode inscrever-se apenas numa ou mais do que uma sessão através do e-mail info@neuroser.pt ou ligando para 217506010.

Veja o programa e não deixe de se inscrever e de assegurar a sua vaga (os lugares são limitados). O custo por sessão é de €10.

Fique atento a informações mais concretas sobre cada uma das sessões!

Artigo por NeuroSer

Ler Mais

Sessões Práticas e Informativas – Alzheimer e outras Demências

 

Site Banner Divulgação_Geral(2)

Em breve, o NeuroSer irá iniciar um ciclo de sessões práticas e informativas dirigido fundamentalmente a cuidadores e familiares de pessoas com Alzheimer ou outra demência.

Oportunamente apresentaremos informações mais concretas, fique atento!

Caso tenha interesse em ver abordado algum tema específico, não deixe de nos sugerir para info@neuroser.pt.

Ler Mais

Plano Individual de Intervenção

O que é um Plano Individual de Intervenção?

O Plano Individual de Intervenção é um documento que compila a informação proveniente da avaliação dos elementos da equipa multidisciplinar e a integra de forma estruturada com os objectivos de intervenção propostos para a pessoa. Um plano individual de intervenção tem sempre em consideração o percurso de vida da pessoa, as suas motivações e as expectativas do próprio e da família.

Quais os objectivos de um Plano Individual de Intervenção?

Os objectivos deste plano são:

– Aumentar a participação da pessoa através da determinação das suas necessidades;

– Planear as intervenções para responder às necessidades identificadas;

– Promover uma melhor coordenação das intervenções entre a equipa multidisciplinar;

– Gerir a evolução do quadro clínico e a eficácia das intervenções;

– Adequar e discutir as expectativas da pessoa e da família relativamente às intervenções propostas.

 

Revisão Clínica: Inês Tello

Ler Mais

Intervenção Integrada: Em que consiste?

A intervenção integrada resume-se à articulação de duas ou mais terapias/valências numa mesma intervenção.

Os objectivos da intervenção são definidos em conjunto pelos profissionais, garantindo-se que as actividades a desenvolver vão ao encontro dos interesses, da história de vida e da personalidade da pessoa.

Este tipo de intervenção é especialmente utilizada em fases mais avançadas da demência, em que, de forma articulada, são trabalhadas as funções cognitivas, a dimensão emocional, as funções motoras e os aspectos de linguagem e comunicação, a fim de potenciar o bem-estar geral, a autonomia e melhorar a qualidade de vida da pessoa.

 

Ler Mais

Avaliação Neuropsicológica

Em que é que consiste?

A avaliação neuropsicológica é um exame não invasivo que permite avaliar com maior detalhe alguns aspectos do funcionamento cerebral, nomeadamente a cognição e o estado emocional.

Regra geral, a avaliação neuropsicológica contempla os seguintes momentos:

  • Entrevista – visa, entre outros aspectos, recolher a história clínica da pessoa e ouvir os relatos da família relativamente às mudanças que têm observado no seu familiar. A ideia é recolher toda a informação que permita contextualizar o desempenho do indivíduo nas provas.
  • Aplicação de provas – os psicólogos dispõem de um conjunto de instrumentos para estudar as chamadas “funções nervosas superiores” (tais como a cognição, o comportamento e as emoções) que podem ir desde provas (ex: ler, escrever e responder a perguntas breves) a escalas (ex: assinalar a afirmação que melhor reflete o que a pessoa está a sentir). Comparam-se as respostas dadas pela pessoa avaliada com as do grupo normativo (conjunto de pessoas saudáveis com escolaridade e idade semelhantes) para averiguar se estamos perante um quadro patológico ou normal.
  • Devolução do relatório – após a entrevista e a aplicação de provas, gera-se um relatório de avaliação neuropsicológica. A informação que consta neste relatório pode ser indecifrável para quem não tem conhecimentos nesta área. Assim, é fundamental explicar à pessoa e à sua família o significado dos resultados da avaliação e a sua implicação no dia-a-dia. O objectivo não é comunicar um diagnóstico (essa é uma competência do médico responsável) mas sim descrever o perfil cognitivo e emocional da pessoa e fornecer-lhe estratégias para ultrapassar quaisquer limitações que possam existir.

Para que serve?

Geralmente a avaliação neuropsicológica é requisitada pelo médico quando este necessita de mais um contributo para o processo de diagnóstico ou considera que a pessoa tem indicação para realizar intervenção não-farmacológica, pelo que a avaliação neuropsicológica pode servir para delinear um plano de intervenção mais eficaz.

 

Implica algum tipo de preparação?

A avaliação neuropsicológica não exige nenhuma preparação especial, apenas é necessário que a pessoa a ser avaliada ou o seu familiar consiga comunicar os principais problemas e responder às perguntas do psicólogo.

Leve a informação clínica relevante (ex: relatórios médicos, exames de imagem, medicação actual) para que esta possa ser integrada no relatório de avaliação neuropsicológica.

É importante dormir bem na noite anterior e não estar em jejum ou com fome no momento da avaliação pois estes factores podem limitar a capacidade de pensamento.

Recomenda-se que leve óculos ou aparelho auditivo, se necessitar deles para ver e ouvir melhor.

Finalmente, é aconselhável que a pessoa a ser avaliada se faça acompanhar de alguém com quem conviva frequentemente, pois o seu testemunho poderá ser importante.

 

Revisão Clínica: Margarida Rebolo

 

Ler Mais

Open-Day: 30 de Setembro de 2015

Dia 30 de Setembro, a partir das 16h, abriremos as portas a toda a Comunidade. Serão desenvolvidas diversas actividades, incluindo uma palestra com o Professor Doutor Alexandre Castro Caldas (director clínico do NeuroSer) e workshops para ficar a conhecer melhor a nossa forma de intervir junto de pessoas com Alzheimer ou outras patologias neurológicas.

Faça a sua inscrição através de info@neuroser.pt ou ligue para 217506010 (sem qualquer custo).

Ler Mais

Dia Mundial do Cérebro

 

 

af64e06dd787c339e477146aae189872_WBD-logo-697-cWBD+2015+fb+cover+2

No dia 22 de Julho assinala-se o Dia Mundial do Cérebro. Este ano, esta data é dedicada à Epilepsia com o slogan “a vida é mais do que convulsões”.

Esta data é promovida pela Federação Mundial de Neurologia e pela Organização Mundial de Saúde, juntamente com a Liga Internacional contra a Epilepsia.

A escolha da Epilepsia, como tema do Dia Mundial do Cérebro este ano, deveu-se a diversas razões, nomeadamente o facto de:

  • ser uma das mais comuns doenças neurológicas crónicas
  • manter-se, na Sociedade, uma grande lacuna na informação acerca da Epilepsia
  • existirem diversas consequências psicossociais negativas para as pessoas com epilepsia
  • subsistirem as dificuldade de acesso à medicação adequada, em diversos países do mundo.
Ler Mais

O Cérebro Regenera-se?

Vídeo: Could your brain repair itself? – Ralitsa Petrova- TED Ed

Neurogénese é o processo de formação de novos neurónios em determinadas áreas do cérebro. Até há poucos anos, acreditava-se que a neurogénese ocorria apenas durante o desenvolvimento infanto-juvenil, mas estudos feitos recentemente, concluíram que a neurogénese ocorre continuamente durante toda a idade adulta.

Esta descoberta tem originado inúmeros estudos sobre como é que o cérebro se pode regenerar e quais as possíveis aplicações terapêuticas desta descoberta  no tratamento de doenças neurodegenerativas, como a Doença de Alzheimer.

Apesar de entusiasmantes, as descobertas da investigação na área da neuroregeneração como uma forma de terapêutica na Doença de Alzheimer, ainda não oferecem uma solução viável mas novos estudos  estão já a ser desenvolvidos para aprofundar esta temática.

Revisão Clínica: Inês Tello
 
Ler Mais