Centro de Diagnóstico e Terapias: Alzheimer e Outras Patologias

Horário : Segunda a Sexta das 09h00 às 19h00
  Contacto : +351 21 750 6010 | info@neuroser.pt

Arquivo de Outubro 2015

Dia Mundial do AVC

Porque foi criada uma campanha mundial de sensibilização para os casos de AVC nas mulheres?

Eis alguns factores que justificaram esta escolha:

  • As mulheres tem uma mortalidade por AVC maior que a dos homens. Seis em cada dez mortes causadas por AVC ocorrem em mulheres, em grande parte porque o AVC ocorre mais tarde na vida nas mulheres, quando é mais perigoso.
  • As mulheres apresentam factores de risco de AVC mais elevados. Alguns factores de risco como a diabetes mellitus, as enxaquecas com aura, a fibrilação auricular, a depressão major e a hipertensão são mais comuns na população feminina. Outros factores de risco de AVC são específicos das mulheres, como pré-eclâmpsia na gravidez, o uso de anticoncepcionais orais (especialmente em mulheres hipertensas), reposição hormonal após a menopausa e diabetes gestacional.
  • As consequências de um AVC têm tendência a ser piores nas mulheres. As mulheres possuem uma probabilidade mais alta de permaneceram internadas e um maior risco de depressão pós-AVC.
  • Maior prevalência de alguns subtipos de AVC – Alguns subtipos de AVC, como a trombose venosa cerebral e a hemorragia subaracnoideia são mais frequentes em mulheres.
  • Isolamento e solidão – As mulheres tendem a ter maior probabilidade de viverem sozinhas ou de serem viúvas antes de um AVC e, nestes casos, são mais frequentemente institucionalizadas e apresentam uma pior recuperação que os homens.
  • As mulheres tendem a assumir papel de cuidador. O papel de cuidador recai predominantemente nas mulheres. Alguns estudos demonstram que a saúde mental das mulheres cuidadoras do cônjuge é grandemente afectada, com uma incidência elevada de exaustão física e emocional.

O AVC não discrimina, afecta-nos a todos.

brain_model2

 

Para mais informações sobre esta campanha e sobre o AVC em mulheres consulte a seguinte bibliografia: http://www.worldstrokecampaign.org/images/documents/Learn/Bibliography_-_Women_and_Stroke_Resources.pdf

 

Revisão Clínica: Inês Tello

Ler Mais

Open Day NeuroSer

É com muita satisfação que a equipa do NeuroSer partilha alguns dos momentos vividos no seu Open Day de 30 de Setembro de 2015.

Aproveitamos também a oportunidade para agradecer a todos pela participação e pelo interesse demonstrado.

 

Ler Mais

Depressão e Demência

 

A depressão é uma doença psiquiátrica caracterizada por sentimentos negativos tais como a tristeza, a angústia ou a auto-desvalorização. É uma doença muito prevalente – dados do Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental de 2013, mostram que afecta cerca de 8% da nossa população.

Para além dos sintomas mais conhecidos ao nível do humor, do padrão de sono e da alimentação, a depressão associa-se a alterações cognitivas que podem ser incapacitantes.

O papel do neuropsicólogo torna-se especialmente relevante quando é necessário estabelecer um diagnóstico diferencial entre um quadro demencial e um quadro depressivo com alterações cognitivas associadas. A aplicação de provas que avaliam o desempenho do indivíduo em vários domínios cognitivos permite-nos traçar o seu perfil e compará-lo com o perfil típico de uma demência e de um quadro depressivo.

A Tabela em baixo mostra alguns dos factores diferenciadores entre a depressão e o tipo de demência mais comum – a Doença de Alzheimer. Como é óbvio, nem sempre a distinção é tão clara como se sugere aqui. Na dúvida, vale sempre a pena falar com o seu médico, até porque as alterações cognitivas secundárias a uma depressão podem ser minimizadas.

Características

Depressão

Doença de Alzheimer

Aparecimento dos sintomas cognitivos Mais súbito e precoce Mais insidioso e tardio
Gravidade dos sintomas cognitivos Menos graves Mais graves
Gravidade das alterações do humor Mais graves Menos graves
Alterações do humor predominantes Mudanças repentinas do estado de ânimo, caracterizadas por sentimentos depressivos, tristeza, melancolia ou pessimismo Falta de motivação para fazer as coisas; indiferença
Consciência para as alterações cognitivas Queixas exageradas face às alterações objectivadas Pouca consciência (normalmente as queixas cognitivas são identificadas e reportadas por um familiar)
Principal domínio cognitivo afectado Funcionamento executivo (planeamento, execução e monitorização do comportamento) Memória

 

Revisão Clínica: Margarida Rebolo

Ilustração: Kiki Tikiriki

Ler Mais